jusbrasil.com.br
19 de Agosto de 2022
    Adicione tópicos

    TCE/SC orienta gestores do Planalto Serrano e Meio Oeste sobre transparência e dever de probidade

    Lages (24/7), Videira (25/7) e Campos Novos (26/7) sediam, nesta semana, mais três etapas do XV Ciclo de Estudos de Controle Público da Administração Municipal. O objetivo do Tribunal de Contas de Santa Catarina (TCE/SC) é orientar agentes públicos vinculados às prefeituras e câmaras de vereadores das 57 cidades que integram as Associações dos Municípios da Região Serrana (Amures), do Alto Vale do Rio do Peixe (Amarp), da Região do Contestado (Amurc), do Planalto de Santa Catarina (Amplasc) e do Meio Oeste Catarinense (Ammoc).

    A nova contabilidade e o controle dos bens públicos, as normas para concessão, fiscalização e prestação de contas de recursos repassados pelo Poder Público e o papel dos agentes públicos para assegurar o acesso da sociedade à informação pública depois da Lei nº 12.527/11 Lei de Acesso a Informacao , que completou um ano de vigência em maio. Estes são alguns temas do XV Ciclo de Estudos que elegeu o princípio da transparência e o direito do administrado ter uma boa administração pública como tema central.

    Sob a ótica da transparência, os instrutores do Tribunal abrem espaço especial para orientar os agentes públicos sobre o que mudou na Administração Pública depois da Lei nº 131/09 Lei da Transparência , que determina a disponibilização, em tempo real, de informações sobre a execução orçamentária e financeira da União, dos Estados e Municípios, e da Lei de Acesso, que veio ampliar o conceito de transparência para assegurar, à sociedade, o direito fundamental de acesso à informação produzida ou gerida pelos órgãos públicos. A divulgação de informações relacionadas aos rendimentos dos servidores públicos, a responsabilidade dos agentes públicos nesse contexto e como o princípio da transparência deve estar presente nas licitações e contratos públicos são assuntos em destaque.

    Com base nas perguntas mais frequentes dos agentes públicos, será apresentado também um roteiro para a contração de obras públicas pelos municípios da fase interna da licitação até a execução dos serviços , considerando as normas que devem ser cumpridas diante de paralisações e aditamentos.

    Com a programação, que já reuniu em seis etapas 1.506 agentes públicos do Sul, do Oeste catarinense e da Grande Florianópolis, o TCE/SC coloca em prática sua missão pedagógica. A meta é elevar a qualidade da gestão municipal e dos serviços públicos oferecidos à população catarinense, por meio da orientação e capacitação dos seus agentes, abrindo um espaço de interação entre quem fiscaliza e quem aplica o dinheiro público.

    O Tribunal de Contas de Santa Catarina tem características que lhe permitem contribuir para uma boa gestão dos negócios públicos, avalia o presidente da Instituição, conselheiro Salomão Ribas Junior, que deverá participar das etapas regionais de Videira, na quinta-feira (25/7) no período da tarde, e, de Campos Novos, na sexta-feira (26/7), pela manhã.

    Para o conselheiro, as várias funções do Tribunal de Contas, que vão desde a emissão do parecer prévio sobre as contas do Governo do Estado subsídio indispensável para a Assembleia Legislativa aprovar ou rejeitar a matéria , a resposta às consultas dos gestores públicos sobre a aplicação de leis, a análise prévia de editais e a fiscalização de obras públicas, até o julgamento das contas dos administradores, com a aplicação de sanções diante de ilegalidades, permitem que o órgão de controle externo tenha um vasto repertório para exercer, também, a função de orientar os gestores públicos.

    Essas múltiplas tarefas fazem do Tribunal um importante instrumento de desenvolvimento institucional, defende Ribas Jr., ao considerar a orientação dos agentes uma das melhores fórmulas para evitar irregularidades e garantir à sociedade o direito à boa administração pública.

    Desenvolvido com o apoio das associações de municípios e da Federação Catarinense de Municípios (Fecam) e a participação do Ministério Público estadual (MPSC), o XV Ciclo oferece três oficinas técnicas, nas áreas de contabilidade e controle interno, atos de pessoal e licitações, contratos, obras e serviços, coordenadas por instrutores do TCE/SC e representantes do MPSC. A programação nas etapas regionais inicia, às 8h15, com a entrega de material aos gestores públicos, e, às 9h, começam as oficinas temáticas que se estendem até as 17h (Serviço). As inscrições estão abertas e podem ser feitas pela Internet, na página principal do Portal do TCE/SC (www.tce.sc.gov.br).

    Bens públicos

    Os procedimentos que devem ser adotados para reavaliação, redução ao valor recuperável, depreciação, amortização e exaustão dos bens públicos também merecem destaque nas oficinas temáticas. Com base na nova contabilidade pública Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público (MCASP), aprovado pela Portaria STN n.º 437, de 12 de julho de 2012 , os instrutores do Tribunal de Contas vão mostrar porque as novas normas buscam um controle dos bens patrimoniais que reflita a realidade em termos monetários. Ou seja, os registros da contabilidade devem demonstrar a existência e localização dos bens com valores condizentes com os de mercado.

    Os técnicos do TCE/SC têm destacado o papel fundamental dos contadores e responsáveis pelo controle interno e patrimônio, a necessidade de integração dos sistemas de contabilidade e patrimônio e a importância da normatização dos procedimentos de controle dos bens públicos, por meio de decretos e manuais, no âmbito municipal. É uma questão importantíssima neste ano, até porque o prazo fatal para implantação desses novos critérios de registros contábeis ocorrerá no final de 2013 e início do ano que vem, reitera o presidente do Tribunal. Segundo os instrutores, diante do novo foco patrimonial da contabilidade pública, não se poderá admitir, por exemplo, a existência de um veículo adquirido há 15 anos, pelo Poder Público, que apresente como saldo contábil o seu valor de aquisição.

    Contratações

    No âmbito das obras públicas, os técnicos do TCE/SC têm demonstrado aos participantes do Ciclo que o projeto básico projeto completo de engenharia é peça fundamental para garantir que os resultados das licitações tragam a proposta mais vantajosa e a execução dos serviços atenda ao interesse público. As normas para aditamentos, reajuste e paralisações também integram o temário da oficina sobre licitações, contratos, obras e serviços. A programação aponta quais são as exigências legais que devem ser observadas pelos gestores públicos para verificar se interessados em participar de licitações públicas dispõem das condições de habilitação necessárias. A definição de critérios de habilitação que atendam à legislação e às características do objeto licitado, como condição para prevenir a contratação de licitantes inaptos e/ou inidôneos, garantir a competitividade e ampliar o universo de interessados no certame é a tônica da orientação.

    Na oficina de atos de pessoal, o XV Ciclo de Estudos chama a atenção para as regras que devem ser observadas na criação, preenchimento e controle das atividades desempenhadas pelos ocupantes de cargos comissionados. A concessão, fiscalização e análise da prestação de contas de recursos antecipados adiantamentos, diárias, transferências voluntárias, subvenções, auxílios e contribuições pela administração pública, é um dos temas do espaço voltado para contadores e controladores internos. Em pauta, todos os procedimentos, previstos nas Instruções Normativas N. TC-13/2012 e N.TC-14/2012 aprovadas pelo TCE/SC , que devem ser cumpridos pelos gestores para evitar penalizações por má aplicação dos recursos ou ausência de prestação de contas.

    Dever de probidade

    O dever de probidade dos agentes públicos e as sanções cabíveis aos que praticam atos de improbidade administrativa previstos na Lei n.º 8.429/92 é o tema do Ministério Público na oficina de atos de pessoal. Os representantes do Órgão, parceiro do Tribunal nas edições anteriores, mostram que os gestores devem pautar suas condutas pelos princípios da Constituição Federal legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e da ordem jurídica vigente. Na abordagem do MPSC, fica claro que a atenção a esses princípios no âmbito da Administração Pública é condição necessária para a existência, na prática, de um Estado Democrático de Direito que assegure o exercício dos direitos sociais e individuais e o bem-estar da sociedade.

    Organizado pelo Instituto de Contas do TCE/SC, o Ciclo de Estudos de Controle Público da Administração Municipal é o maior evento de orientação a gestores públicos promovido pela Corte de Contas catarinense nos últimos anos. As próximas etapas da programação terão como sedes as cidades de Jaraguá do Sul (31/7) e Rio do Sul (1/8), atingindo agentes públicos dos 54 municípios que integram as Associações dos Municípios do Vale do Itapocu (Amvali), do Nordeste de Santa Catarina (Amunesc), do Planalto Norte Catarinense (Amplanorte) e do Alto Vale do Itajaí (Amavi).

    Até o dia 8 de agosto, cerca de 3 mil agentes públicos, vinculados às prefeituras e câmaras dos 295 municípios catarinenses, deverão ser capacitados em 13 encontros regionais . Todas as abordagens do XV Ciclo são apoiadas por um livro-texto, que está sendo distribuído em cada etapa regional e já está disponível na seção Publicações do TCE (http://www.tce.sc.gov.br/web/publicacoes/ciclos-estudo), do Portal do Tribunal de Contas do Estado (www.tce.sc.gov.br).

    Serviço:

    O quê: XV Ciclo de Estudos de Controle Público da Administração Municipal

    Quando: de 3 de julho a 8 de agosto

    Etapa de Lages: Quarta-feira (24/7)

    Onde: Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac) Av. Castelo branco, 170 Bairro

    Universitário. Auditório CCJ e Salas 2130/2131/2137. Fone (49) 3251-1022

    Etapa de Videira: Quinta-feira (25/7)

    Onde: Instituto Federal Catarinense (IF) Rodovia SC-135, S/N Bairro Campo Experimental. Fone: (49) 3533-4900

    Etapa de Campos Novos: Sexta-feira (26/7)

    Onde: Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc) Rua Benjamin Colla, nº 289 Bairro Senhor Bom Jesus. Fone: (49) 3551-0300

    Horário: das 8h15 às 9h Recepção e entrega de material.

    Das 9h às 12h e das 13h30 às 17h Oficinas temáticas.

    Público-alvo: contadores; controladores internos; técnicos municipais dos setores de

    recursos humanos/gestão de pessoas, licitações e contratos, e obras e engenharia.

    Inscrições e programação: Portal do TCE/SC (www.tce.sc.gov.br)

    Mais informações: por meio do e-mail apoioicon@tce.sc.gov.br ou pelos telefones (48) 3221-3794 e (48) 3221-3834, do Instituto de Contas do TCE/SC.

    ACOM / TCE-SC: 2013

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)